Instrução Normativa 76 e 77: novas normas para cadeia do leite

A cadeia leiteira tem debatido sobre as novas normas para a produção de leite no Brasil que entraram em vigor agora no mês de junho. As discussões têm se intensificado, pois muitos produtores e técnicos do setor ainda têm dúvidas e questionamentos sobre as mudanças e impactos de tais medidas sobre o sistema produtivo.

As mudanças que serão implantadas focam na melhoria e padronização da qualidade do leite fornecido aos laticínios. As alterações propostas nestas instruções normativas, em muitos casos, não alteram as diretrizes já estabelecidas pela cadeia produtiva. Em médio prazo, os impactos poderão ser positivos, já que tornam mais claros alguns pontos, principalmente com relação à qualidade do produto a ser entregue.

Provavelmente, um dos principais impactos para o produtor será a necessidade da adequação do limite de contagem bacteriana em placa, a já conhecida CBT (contagem bacteriana total). Esse é um dos parâmetros de qualidade do leite que o produtor tem grande responsabilidade e capacidade de controle, afinal está diretamente relacionado ao número de bactérias presentes no leite. Para tanto, a normativa deixa claro a necessidade do leite ter CBT inferior a 300.000 UFC/ml, na média geométrica dos últimos 3 meses, sendo que se ultrapassar esse parâmetro, ainda terá um mês para se enquadrar. Se mesmo assim não houver adequação, o produtor terá a coleta do leite suspensa, até a comprovação do seu enquadramento. Esse ponto pode gerar muitos questionamentos por parte dos produtores, mas a maioria já está dentro destes padrões, não havendo qualquer motivo para preocupação. No entanto, alguns produtores devem ter atenção redobrada para este ponto, já que a suspensão da coleta do leite impede a entrega do mesmo a qualquer estabelecimento cadastrado no MAPA, pois as informações serão compartilhadas. Estas mudanças são interessantes para a cadeia produtiva do leite, pois torna o processo claro da interrupção da coleta.

Outro ponto importante a ser destacado é a manutenção do limite de CCS de <500.000 cél./ml, também com padrão de média geométrica trimestral. Porém, no caso da CCS, o não enquadramento no padrão não gerará a interrupção na coleta de leite. A CCS é um critério de qualidade mais sensível ao produtor, pois a redução da CCS é bem mais complexa e demanda algumas estratégias de médio e longo prazo. Sendo assim, será necessária a conscientização dos produtores sobre as medidas de prevenção, e, especialmente a utilização de protocolos de secagem e tratamentos de mastite clínica, específicos para o adequado controle da doença.

Tags